segunda-feira, 5 de setembro de 2011

PodQuest #28: Os Desafios de Ser Independente


No episódio desta semana, os Questers recebem o sound designer de games Marcelo Martins para discutir os desafios e oportunidades oferecidos pela indústria de jogos independentes. Marcelo oferece analogias muito interessantes entre games e música indie, e o programa discute também o lançamento de Deus Ex: Human Revolution, as últimas notícias da indústria, e muito mais.

Links:


Ouça diretamente no player abaixo:



Ou no link a seguir:

PodQuest #28: Os Desafios de Ser Independente
(botão direito, depois "salvar como" para baixar)

Ou ainda, adicione o feed e tenha todos os episódios quando quiser!
http://feeds.feedburner.com/doublejump/podquest
No iTunes, vá em "Advanced - Subscribe to Podcast" e cole o endereço acima.

Ouça e comente! Se preferir, entre em contato por e-mail em contato@thepodquest.com ou pelo Twitter em @ThePodQuest.

13 comentários:

Marcelo Martins disse...

Pessoal,

Muito obrigado pelo convite. Gostei bastante de ter participado do programa.

Espero que as pessoas gostem também e aproveitem as informações para os seus próprios projetos.

Muito sucesso pra vocês!

Patricia Zanini disse...

A todos da equipe Podquest meus parabéns pelo belo trabalho!

Interessante como de forma descontraída podemos nos manter informados sobre o mercado de video games.

Sem contar que a participação de Marcelo Martins foi bastante enriquecedora em relação as produções independentes.

Sucesso sempre!

Bruno disse...

Parabéns por mais esse episódio, pessoal! Gostei muito da participação do Marcelo. É sempre bom conhecer gente que "fez acontecer" sem depender de grandes investidores.

Resolvi comentar pois esse PodQuest reflete muito minha atual realidade. Fazendo um "gancho" em algo que o Rafael disse, um grande desafio no desenvolvimento independente é, de fato, manter-se motivado. Sempre me aventurei em projetos paralelos, porém nenhum vingou e concluo, hoje, que o fator determinante foi a falta de uma equipe. Tendo encontrado as pessoas certas, mesmo às vezes fazendo muito mais do que o nosso expertise permite, as chances de desistência são menores pois a motivação vem da equipe. Os outros membros do time dependem de você, ao mesmo tempo que você depende deles. Logicamente, não é uma mentalidade que todos possuem e, claro, também não é fácil encontrar essas "pessoas certas"... Mas é o que acredito ser o essencial em projetos indie: um objetivo em comum.

Brincadeiras a parte, acho justo o que a Apple cobra na distribuição de aplicativos (assim como outras empresas, com suas respectivas "app stores"). O valor é igual para todos e, embora não favoreça tanto grandes softhouses, o desenvolvedor independente tem uma chance maior de retorno, uma vez que não são requeridos grandes gastos com infraestrutura e preocupação com processo de vendas.

O PodQuest está cada vez melhor, continuem assim =D
Uma boa semana pra todos!

Murilo disse...

Incrível como o trabalho de vocês melhora a cada episódio.
O método com que os assuntos são abordados me faz sentir como se o fone de ouvido estivesse lendo a minha mente. (putz! haha)

Eu fui um dos que perguntei sobre o desenvolvimento independente por e-mail, e posso afirmar que estou muito satisfeito com os temas abordados.
E pra mim também, o fator que mais refletiu o meu receio em realmente entrar de cabeça na indústria é a questão da motivação.

Adorei a participação do Marcelo (maior sonzera a dele, btw!) e em contrapartida à minha posição atual, conhecer pessoas que atingiram 'sucesso' no ramo indie, assim como as palavras de "tente e falhe!" me motivaram a tirar ideias do papel de uma vez por todas. hehe

Muito obrigado pela dedicação e por nos fornecer esta ótima fonte de informação!

Mais uma vez, parabéns pelo esforço e boa semana, até o QuickCast!

Marcelo Martins disse...

Olá Murilo e Bruno,

Legal que vocês gostaram! ;) Fico especialmente feliz em saber que a gente foi capaz de inspirá-los a investir ainda mais nas suas ideias!

Sobre as pessoas certas: vocês têm razão, é muito difícil encontrar isso. No Plexus, tivemos dezenas de membros diferentes, mas no final somente eu, Ricardo e Iassa conseguimos ficar juntos por muito tempo. O que a gente tinha em comum era exatamente o que o Bruno falou: o objetivo em comum.

Também participei de outras bandas e projetos em que eu não era o membro certo. Enfim, pode acontecer com qualquer um.

Se vocês acharem que está difícil arranjar as pessoas certas, tentam reformatar o escopo do projeto para algo que você possa fazer sozinho ou com menos pessoas. É um grande desafio, sempre, mas essas situações não são muito diferentes de uma empresa de grande porte: um dia vc tem uma equipe grande, no outro pessoas-chave podem sair porque arranjaram um emprego melhor...

Se adaptar é um grande aprendizado!

Abraços!

Fernando Kirch disse...

olá,

Fui um dos "milhaaaaares" de ouvintes que sugeriram o tema por e-mail também, não por nada pessoal, só pra contribuir mesmo, quando vocês falaram que estavam ficando sem assunto.

Ficou muito bom o cast, Marcelo Martins contribuiu bastante também. Legal as comparações entre a cena indie da música e dos jogos. Em ambas os desafios parecem ser bastante parecidos. Tipo uma banda com suporte de uma gravadora em relação a um músico independente não é muito diferente de uma desenvolvedora de jogos com suporte de uma publisher em relação a um desenvolvedor de jogos independente.

Também virei fã do PodQuest, aprendo muito ouvindo desde o primeiro episódio.

Continuem assim, valeu.

Luiz Alvarez disse...

Muito bom o podcast! Espero que ele ajude a mostrar às pessoas que seguir o caminho independente hoje está mais fácil, mas continua sendo bastante difícil.

Tem gente fica seduzido com a parte da liberdade criativa, por não ter publisher/cliente (é só ver nessa pesquisa), mas esquece dos lados negativos. Acho que todo mundo gosta da ideia de fazer sua função sendo seu próprio chefe, mas sendo indie você vai fazer isso só uma fração do tempo pois você terá muito mais tarefas, que não tem nada a ver com sua função original.

Uma coisa nós indies devemos tentar fazer é aprender lições com os grandes publishers, principalmente na área de negócios. Existe uma razão para eles gastarem tanto no marketing de um jogo quanto para desenvolvê-lo. Não digo que isso deva ser feita na mesma proporção, mas o exemplo da newsletter da banda do Marcelo mostra o quanto isso influencia o número de pessoas que você consegue atingir. Não adianta nada fazer um ótimo produto se as pessoas que gostariam de comprá-lo não sabem da existência dele.

Por fim, boa sorte Rafael! Tomara que o seu projeto dê certo.

Rafael P Padovani disse...

Muito instrutivo como sempre o podquest.

Quero compartilhar com vcs um bom artigo sobre o mercado Mobile.

http://tinyurl.com/3j7es3y

Abraços a todos os podquesters e colaboradores.

Marcelo Martins disse...

Massa, Rafael! Excelente artigo! Acabei de tweetá-lo! Muito obrigado por compartilhar!

Fernando Secco disse...

Uma coisa que eu achei que faltou comentar mais foi sobre ferramentas e tercerização.

Não sei ao certo, mas pela minha experiência, deve ser muito difícil começar a fazer e fazer todas as ferramentas no tempo hábil, principalmente quando o time não é muito experiente e não tem muita gente envolvida. Jogos mais complexos podem precisar de um editor, aí alguém tem que acabar programando um ( as vezes ao mesmo tempo que o editor é usado para montar o jogo).

Aí acho que considerar comprar ferramentas acaba sempre sendo uma saída.

A compra de modelos também e texturas. Existem muitos sites especializados na venda de modelos e conheço alguns projetos que acabaram optando por comprar modelos texturizados e animados.

Por exemplo, um joguinho 3D com modelos animados, o time pode descobrir que não da tempo de fazer todos os modelos ou que o sistema de animação tá ruim.

Alguém ai já passou por essa situação?

Abraço e obrigado pelos comentários.

Anônimo disse...

Parabéns por Deus Ex cara, e obrigado por tirar o restante de vida social que eu tinha!

Fabiano Pimenta disse...

Excelente PodQuest, mais uma vez! E, como sempre, chego atrasado.

O assunto sobre jogos independentes é muito bom e, como disse o Marcelo, ajuda um bocado de ouvintes a aprender mais sobre ele. Espero que o próximo blockbuster das App Stores venha do Brasil. Talento, vontade e boas ideias a gente tem de sobra.

Só precisamos acreditar, insistir um pouco mais e usarmos muita metodologia.

*PS: Secco, a Futureshop não me deixa jogar Deus EX. :(

**PS: Gilliard, a estratégia da EA com o Rooney foi genial! Congrats.

Abraços!

Gustavo Fornazier disse...

Parabéns pessoal, achei fantástico o tema, muito legal!
Como de costume sempre nos ensinando muito.
Valeu!