segunda-feira, 11 de julho de 2011

PodQuest #24: Quem Manda Nesse Jogo Sou Eu

Neste episódio, o trio do PodQuest discute diferentes abordagens para a direção criativa de um projeto de games. Eles falam sobre as vantagens e desvantagens de se ter um diretor criativo que centraliza as decisões, a importância e relevância do input de cada membro do time, e também como assimilar o feedback da comunidade de maneira positiva para o projeto.

Outros assuntos discutidos são: o estado atual e as perspectivas da indústria nacional, a educação formal dos game designers, e como medir a produtividade nos projetos de games.

Links:


Ouça diretamente no player abaixo:



Ou no link a seguir:

PodQuest #24: Quem Manda Nesse Jogo Sou Eu
(botão direito, depois "salvar como" para baixar)

Ou ainda, adicione o feed e tenha todos os episódios quando quiser!
http://feeds.feedburner.com/doublejump/podquest
No iTunes, vá em "Advanced - Subscribe to Podcast" e cole o endereço acima.

Ouça e comente! Se preferir, entre em contato por e-mail em contato@thepodquest.com ou pelo Twitter em @ThePodQuest.

11 comentários:

Marcelo Martins disse...

Pessoal,

Mais uma vez, excelente Podquest. Aprendo muito ouvindo vocês.

Sobre educação: como vocês falaram, nenhuma educação é boa o suficiente para que a pessoa

saia da escola criando coisas extraordinárias. A escola te dá as ferramentas, cabe a você

usar essas ferramentas para realizar coisas memoráveis na sua área. Criar coisas legais

demanda talento, disciplina e paixão.

Pessoal, se um dia vocês fizerem um projeto solo, já vão vender, pelo menos, uma cópia. Eu

comprarei na pré-venda! A não ser que seja um jogo de simulação de dança de pagode. Aí eu

não compro, ok? ;)

Gilliard, esse Stacking parece ser bem legal, hein? Vou dar uma olhada...

Rafael, ainda não joguei o Brütal Legend, apesar do tema me interessar muito. Também vou

incluir na minha lista de "to play".

Sobre a questão da direção, concordo com as "ideias justificadas", acho que é a posição mais

segura em relação a qualquer trabalho criativo.
Se o argumento for forte e bem fundamentado,

a ideia deixa de ser "achismo". Mas a capacidade de contra-argumentar com qualidade ainda é

rara, em qualquer indústria e qualquer empresa.

Fernando, obrigado por compartilhar a experiência da Eidos. Muito interessante saber como o

processo evoluiu em relação ao Deus EX e estou cada vez mais curioso para jogar este jogo.

ví o gameplay de 10 minutos no Gamespot e gostei muito.

Um abraço,
Marcelo Martins

Marcelo Martins disse...

Meu comentário acima ficou todo picotado, mas espero que esteja compreensível!

Abraços,
Marcelo

Fernando Kirch disse...

Olá pessoal do PodQuest,

Muito bom esse último cast. Boas discussões.

Tenho uma pergunta, vocês não acham que as vezes os diretores de jogos na indústria acabam funcionando como marketing também?

Por exemplo, no caso do Tim Schafer, da Double Fine, os jogadores compram o jogo mais por ser feito pelo Tim Schafer (mesmo que na prática ele não tenha feito o jogo sozinho e sim um time inteiro) do que pelo jogo em si.

Como o jogador já gostou dos outros projetos Grim Fandango, Full Throttle, etc. Ele vai com a expectativa de que é o próximo projeto do Tim Schafer e compra o jogo.

era isso, um abraço.

Vinicius Lopes disse...

Olá pessoas.

Em primeiro lugar gostaria de agradecer mais uma vez pelo podcast. Completando o que o Rafa falou, conhecimento nunca é demais, mas entre a graduação e um curso mais específico eu fiquei com o curso. Infelizmente não acredito mais no potencial de ensino de uma faculdade.

Por outro lado, acredito que somos poucos privilegiados de termos acesso a um podcast feito com tanto respeito e dedicação, porque vcs não fazem idéia de quanto é agregante fazer um curso de criação de games e ouvir o podquest. Digo "privilegiados" pq não é tao facil encontrar podcasts com essa visão, mas já divulguei o site para todos meus colegas de curso. Agora chega de elogio hahahahaha.

Enfim, não me sinto mto confortavel para falar alguns assuntos pq ainda estou estudando e estou bem longe da industria, mas já pude experienciar em discussoes de trabalho durante as aulas como é dificil conciliar ideias, expor ideias, desapegar-se das suas ideias, esta sendo um outro aprendizado fundamental.

@Fernando como eu ja disse comecei a jogar o TF2 desde que virou F2P então não sei como era antes, mas nestes ultimos dias tenho percebido um padrão nos jogos. Ou um time é sempre melhor que o outro ou muitos jogadores são ruins mas, por ex. um scout inteligente consegue ganhar um CTF mesmo num time ruim. Confesso que joguei mais pela minha mania obsessiva de completar achievments doq pelo jogo, mas agora que eles acabaram o jogo ta ficando bem tedioso. Espero que melhore tbm.

Por fim, pensei em outra perspectiva em relação a pergunta do Gustavo. Se vc não esta trabalhando ou é seu primeiro projeto, como vc pode se auto-avaliar? Por exemplo, como posso saber se sou um bom artista? Pela quantidade de desenhos feitos em um certo tempo?

É isso ai, grande abraço a todos e até semana que vem.

Felipe Augusto "felipowsky" disse...

Fala, PodQuesters. Parabéns pelo episódio. Já o deixei como um dos favoritos por abordar um tema no qual estou vivenciando na pele atualmente.
Faço parte de uma equipe autônoma de 3 pessoas desenvolvendo um advergame pequeno e realmente os pontos discutidos são bem interessantes que nos atormentam diariamente na tomada de decisões.

@Fernando Kirch eu acredito que tenha um pouco dessa intenção para os jogadores mais bem informados, mas acho que a grande maioria dos gamers (que jogam para um momento de entretenimento) não leva em consideração por quem o jogo foi feito, mas, sim, se ele passa uma boa experiência.

Quero aproveitar um pouco a questão do @Vinicius Lopes, sobre auto-avaliação, e estender um pouco: vocês conhecem algum tipo de metodologia/prática que provoque auto-avaliação na equipe? Por exemplo, uma reunião de retrospectiva utilizando Kanban.

E uma pergunta "off-topic": O que vocês estão achando dessa "briga" Steam x Origin?
Vou comprometer o Gilliard agora. :p
Eu, sinceramente, acho que os consumidores tem a ganhar com uma nova ferramenta de distribuição de jogos se for tão boa ou melhor que o Steam, mas me preocupa um pouco a maneira com que a EA está se justificando para (talvez) não publicar os seus jogos na plataforma da Valve, em decorrência das normas da ferramentas que são conhecidas a bastante tempo.
O que me entristece mais é o fato de eles estarem querendo empurrar o Origin, porque o jogo não vai estar no Steam ao invés de oferecer um melhor serviço, preço, etc.
Mas acredito que isso só o tempo dirá.

Gilliard Lopes disse...

@Marcelo Então tá combinado, o primeiro jogo da minha empresa será em tua homenagem, o "Rebolation for Kinect". Vou te chamar pra fazer playtest, não pode recusar.

@Fernando Kirch Acho até que isso acontece, mas concordo com o felipowsky que provavelmente só os fãs hardcore vão se importar com isso ou sequer saber quem é esse ou aquele diretor. É engraçado, por exemplo, o fato do Sid Meier ter o nome nos jogos Civilization, mas só ter feito game design mesmo no primeiro jogo (nem participou do 2 e do 3, foi consultor no 4 e no 5).

Outra curiosidade: vocês sabiam que Soren Johnson, programador e game designer de Civ 2 e 3, deu palestra no Brasil em 2007? Foi no SBGames na Unisinos, em São Leopoldo/RS. Eu estava lá e gostei muito da palestra sobre Inteligência Artificial do Civ.

@Vinicius Pergunta difícil hein, realmente não sei qual a melhor maneira de se auto-avaliar nesse sentido. Só sugiro um certo cuidado com a questão de "fazer mais em menos tempo", pois isso nem sempre é sinal de fazer com mais qualidade. Os gerentes e chefes estarão sempre pressionando pra que a gente entregue mais resultados em menos tempo, por isso cabe a nós batermos o pé e primarmos pela qualidade no que a gente faz.

@felipowsky Esse tipo de retrospectiva que você citou existe também no Scrum após cada Sprint, mas geralmente é voltada a avaliar o projeto, e não as pessoas individualmente. Não conheço métodos parecidos e gostaria de saber das boas práticas de vocês nas suas empresas.

Sobre a pergunta off-topic, deixa a gente transformá-la em on-topic, pode ser? Em outras palavras, deixa a gente comentar num QuickQuest ou PodQuest em breve. Gostei dos teus argumentos, acho que vai dar uma boa discussão.

Obrigado novamente a todos vocês por acompanharem e comentarem. Façam como o Vinicius, divulguem o podcast para seus amigos interessados por favor. Quanto mais gente entrar nessa discussão, maior será o aprendizado pra todos nós.

Fernando Secco disse...

Ola pessoal, blz? Novamente, obrigado pelos comentários e pelo apoio.

@Marcelo
Você colocou linhas duplas para ter o maior post do mundo pra sempre né :P? Não se preocupe minguém ganha do Gilliard ;).

@Fernando Kirch
Acho que não só os diretores mas programadores (John Carmack) artistas (O JJB do Deus Ex) escritores/roteirisas (Tom Clancy). Compartilho da sua visão. Acho que uma vez que o cara fez um produto de qualidade e tem seu nome fortemente atrelado a um produto, ele acaba sendo marketing só por ser mencionado (Olha o pessoal que saiu do Call of Duty pro Respawn Enter.) .

@Vinicius
Sobre se auto avaliar. Acho que depende o que você está procurando. Acredito que uma maneira simples de se auto avaliar é verificar o que foi pedido, quanto tempo levou, quais as dificuldades encontradas, como você abordou o problema e se você ficou satisfeito com o resultado. Ai no final, ver o que você sentiu mais dificuldades e decidir o que você precisa praticar ou estudar mais.
Para um melhor resultado, acho que isso pode ser perguntado a companheiros de trabalho para colocar mais variáveis no problema. Críticas externas, quando são feitas da maneira correta, ajudam muito pois podem mencionar detalhes importantes que a gente não percebeu na auto avaliação.


Sobre o TF2. Poxa, tu é bom heim :P vou começar a procurar entrar sempre no seu time. Mas na boa, acho que esse F2P trouxe mais gente mas acho que o pessoal, além de perdido, não tá acostumado com jogo em time. Eu dou muita risada quando vou jogar King of the Hill e sou médico. Ai de 11 tem no time 3 spys, e 4 snipers. Tipo, claramente esse time vai perder. Como você conquista o objetivo e mantém ele? hwhawhwa. Temm outros exemplos mas fica tudo no fato de não entender a mecanica e ai o time com mais veterano ganha sempre.


É isso pessoal.
Abraço.

Rafael Kuhnen disse...

@Fernando Kirch. Esse tipo de marketing acontece ate quando as pessoas nem participaram de jogos em questao. Por exemplo pro marketing do Red Dead Redemption foi usado "Dos criadores de GTA" sendo que nem foi a Rockstar North que fez o jogo, mas sim a 2K que publicou ambos. Se eu nao me engano ate LA Noire usou um pouco desse marketing.

@Vinicius, Obrigado pelo apoio e pelos elogios! Mas cara, eu nao faco a minima ideia de como me auto-avaliar. Acho que somos suspeitos pra isso neh? Normalmente somos muito tendenciosos... Ou achamos que tudo que a gente faz eh uma bosta e nunca estamos satisfeitos com nada, ou entao achamos que somos os genios incompreendidos e o resto do mundo esta errado. Confiar nas pessoas que trabalham contigo normalmente funciona melhor, eu acho. =)

@Felipe, Pra mim.. concorrencia eh sempre bom. Mas como o Gilliard disse, devemos discutir isso em um dos episodios! =)

Felipe Augusto "felipowsky" disse...

Seria bem interessante ouvir a opinião de vocês quanto ao assunto "Steam x Origin". :)
Por enquanto eu só tenho referência de notícias dos portais que acompanho e seria bom ter mais a opinião do pessoal "de dentro" da indústria.

Mickael disse...

Olá, pessoal. Aqui é o Michael Moura.
Valeu por comentarem meu e-mail.

Concordo plenamente quanto ao dito. Não dá pra confiar em faculdade de desenvolvimento de jogos, principalmente nos de duração de dois anos, que prometem muito mas não cumprem nem metade.

Valeu mesmo. Obrigado!

Continuando a ouvir o podcast.

Guilherme disse...

Ow,
Na minha opiniao a Universidade eh o middleware ! O importante eh o quanto voce vai se comprometer e levar pra casa, como o secco disse as vezes o cara se forma na digipen com nota A mas na real nunca fez nada.
Queria saber do rafa o que ele acha para GDs a ideia eh de fazer um curso no Brasil de graduacao meio generico e depois fazer um mestrado em games no exterior.
por exemplo:
http://www.brunel.ac.uk/courses/postgraduate/W280PDIGATDN