segunda-feira, 2 de abril de 2012

QuickQuest #22: Eu Quero Meu Game Como Eu Quero

Gilliard Lopes volta esta semana com outro QuickQuest, dessa vez discutindo o direito dos jogadores de reinvidicar que o jogo seja exatamente do jeito que eles querem.


Links:

Faça perguntas e sugira assuntos para os próximos QuickQuests pelo e-mail contato@podquest.com.br ou no Twitter @ThePodQuest.

Ouça diretamente no player abaixo:



Ou no link a seguir:
QuickQuest #22: Eu Quero Meu Game Como Eu Quero
(botão direito, depois "salvar como" para baixar)

Ou ainda, adicione o feed e tenha todos os episódios quando quiser!
http://feeds.feedburner.com/doublejump/podquest
No iTunes, vá em "Advanced - Subscribe to Podcast" e cole o endereço acima.

3 comentários:

Tiago Carvalho e Johnny Ap. Carvalho disse...

Cara em primeiro lugar parabens pelo site e pelo seu trabalho e tambem pela materia na TV eu vi as duas no jornal da Globo e no globo news.

E segundo eu tb sou da area e estou montando a area de games no meu estudio sou de são paulo e estou me formando no curso de tecnologia de jogos digitais e estamos com um game pra android pra sair, mas esse não e o assunto.kkkkkk

sobre o assunto do quick - eu acho que vc tem razão pois os games tem encorporado a vontade e o desejo do Game Design. Eu acho o seguinte quando as pessoas vao comprar um sorvete no mcdonalds por exemplo la vc nao pode colocar tudo que quiser no sorvete so o que a empresaja estipulo e ninguem reclama pq com os games e diferente.

Marcelo Martins disse...

Gilliard,

Excelente episódio. O assunto é muito oportuno.

Eu acho que existe um certo esforço de alguns desenvolvedores para criar jogos que sejam mais "livres" e possibilitem uma maior modificação da experiência pelo jogador. Os sandboxes e MMO são uma tentativa, acredito. Mas, claro, também são limitados.

Obviamente, no caso de jogos que querem contar uma história, é muito mais difícil fazer isso.

Também acho que não faz muito sentido uma pessoa se achar no direito de mudar a história só porque não gostou dela. O jogo é o resultado de uma visão artística e todos têm o direito de se expressar.

Se a pessoa se incomodou tanto com o fato do jogo não ter dado a ela a história que ela gostaria de vivenciar, é porque existe uma semente de criador dentro dessa pessoa.

Não seria mais legal desenvolver esse potencial e criar sua própria história e se expressar artisticamente da sua maneira em vez de gastar energia tentando mudar a história dos outros?

Gilliard Lopes disse...

Ótimos comentários, concordo e nem tenho muito o que acrescentar.