segunda-feira, 23 de julho de 2012

QuickQuest #30: (((Code*)que)++)->diabos() ? 1 : 0;

Nesse episódio mais técnico, Fernando Secco comenta a dúvida do ouvinte Alessandro Teixeira sobre (o que parece ser) a nova onda do pedaço - programar. Fernando fala sobre diferentes aspectos da programação, diferentes linguages e sobre o quão fácil, ou não, é programar.


Faça perguntas e sugira assuntos para os próximos QuickQuests pelo e-mail contato@podquest.com.br ou no Twitter @ThePodQuest.

Ouça no link a seguir:
QuickQuest #30: (((Code*)que)++)->diabos() ? 1 : 0;
(botão direito, depois "salvar como" para baixar)

Ou ainda, adicione o feed e tenha todos os episódios quando quiser!
http://feeds.feedburner.com/doublejump/podquest
No iTunes, vá em "Advanced - Subscribe to Podcast" e cole o endereço acima.

12 comentários:

Fellipe disse...

Muita gente começa a fazer Ciências da Computação, Sistemas de Informação e afins simplesmente por que "gostam de mexer com computador", logo percebem que existe um mercado bem amplo para quem trabalha com programação e ai resolvem se aventurar na área.

Entra o que o Secco falou, muitos entram e poucos saem formados. Outros se gabam com uma SCJP ou MCP, que não significa que você sabe programar e sim que decorou funções e outras coisas que nem é útil no dia a dia.

É a mesma história de sempre, "tem mercado mas não tem gente capacitada."

Só não concordo com essa história de modinha, por que entra no mesmo contexto do pessoal que programa em baixo nível julgar quem programa em alto nível é "menos programador".

Renan Nespolo disse...

Nossa cara matou a pau, um dos melhores posts que eu já ouvi aqui.

Bruno disse...

O Secco deu bastante exemplos citando HTML e eu acho isso pode ter certa relação com a "modinha", se é que ela realmente existe.

Tem bastante gente que começou a programar através da criação de sites. Posso dizer isso pois sou um deles, e isso pode ser um problema.

Pra começar, HTML não é linguagem de programação, e sim de marcação. Nela, muitas vezes vocês faz errado e o bagulho funciona, e isso acostuma mal a maioria das pessoas. Além disso, as linguagens que o pessoal acaba pegando pra começar possuem uma curva de aprendizado muito menor. No C#, por exemplo, tem bastante coisa automatizada. E eu nunca vi nenhuma linguagem com uma sintaxe e tipagem tão flexível como o PHP.

Ninguém que teve que trabalhar, por exemplo, com gerenciamento de memória e limites de plataforma generalizaria dizendo que programação é "fácil". Como o Secco bem explicou, tudo depende do contexto.

Mas agora, se quem disse para o colega aí que programação é fácil nunca programou nada, aí é ignorância pura.

Diego disse...

Melhor título de post das história!

Wesley Bastos disse...

Pô fernando, precisava que você fizesse uma apresentação sobre isso aqui na faculdade (faço Jogos Digitais), e aqui 90% da turma que são designers não gostam ou não se interessam por programação.

Como sou formado (em Ciências) e trabalho na área de programação mesmo, até acho tranquilo, mas para os designers da turma, segundo eles mesmo, não entra na cabeça como funciona um laço de repetição ou uma função.

Mas mesmo assim como alguns utilizam HTML para manterem seus blogs, ainda acham que programação é algo tão fácil que não merece importância e que a Unity vai fazer tudo sozinha, ou então que somente precisam saber como funciona o Kismet da Unreal e já poderão criar seus jogos AAA.

E depois reclamam quando eu digo que não entendo como funciona um Normal Map ou Bamp Map.

Se fosse possível gostaria de sugerir que o assunto de algum PodQuest futuro fosse dedicado a este assunto "programação de jogos no dia-a-dia". Falando sobre as ferramentas que vocês utilizam, bugs que surgem no meio do projeto, metodologia utilizadas (Scrum, RUP), controle de demandas. Sei que vocês já falaram sobre esses assuntos em alguns podcasts, mas acredito que um podcast inteiramente dedicado a programação seria uma boa.

Fellipe disse...

Fernando Secco, o John Carmack brasileiro?

Fernando Secco disse...

@Felippe
fico lizongeado cara, mas definitivamente não. Se eu conseguisse fazer foguetes ir ao espaço e criar as técnicas mais loucas de programação, mesmo assim eu seria o zé ninguém careca. Eu agradeço Fellipe, mas, novamente não :p

Marcelo Martins disse...

Grande Fernando,

Que legal esse episódio! Parabéns por compartilhar sua experiência com a gente.

A única linguagem de programação que entendo “marromeno” é HTML e nem me considero bom nisso. Qualquer outra coisa pra mim é tão incompreensível quanto uma mensagem alienígena. Mas acho o assunto muito interessante e com certeza me permitira experimentar mexer com algum tipo de programação.

Levando em consideração a minha espetacular ignorância, a minha impressão é que programar é tão difícil quanto criar música. Os dois assuntos são tão complexos que você precisa de uma vida inteira para aprender. E quando você chega no final da vida achando que aprendeu alguma coisa, surge um método completamente novo e você precisa aprender tudo de novo...

Fellipe disse...

Hahaha! Foi só pra tirar uma onda mesmo por que foi legal ver a reação dos ouvintes nos comentários, a galera adorou esse QuickQuest! Realmente foi muito bom! gz!

Raphael Santos disse...

Eu tenho atuado como programador ActionScript (Flash), e entendo o "preconceito" de quem opera a mais baixo nível.

Acho que quanto a qualidade do código/facilidade em programar, muito mais importante que a linguagem é o setor onde se atua.

Eu já atuei com ActionScript em agencias digitais e numa desenvolvedoras de jogos sociais. São dois mundos completamente diferentes...


A questão da "modinha" é um problema quando um gerente de projetos pensa que adicionar física é fácil, porque é "só usar" o Box2D (ou outra engine), "já tem pronto na net"... Como se fosse uma opção on/off, e num passo de mágica tudo começasse a colidir perfeitamente e se repartir em pedaços conforme necessário.

Fernando Secco disse...

E ai pessoal,
primeiro, o teclado aqui nao tem acento :P

Obrigado pelos comentarios e por trazerem mais uma discussao interessante pro PodQuest.

@Raphael
pois eh cara, eh engracado quando quem tem o poder, nao endende muito e julga pelo achometro da net. Tem gente que nao entende que tem que costimizar para resolver os seus problemas e dar o toque de unicidade no jogo.

Sobre action script, acho que o problema eh que o mercada tem muita gente que jah trabalhou com action script em algum nivel e tem nivel iniciante e que escreve codigo muito ruim por nao entender de estrutura de programacao. Em outras areas isso tambem acontece mas no caso de AS, ele eh considerado um portal para iniciacao em games, logo tem mais gente menos esperiente. Sem contar que o compilador e analisador de AS que vem com o Flash Editor eh terrivelmente ruim e o treco continua rodando mesmo que tudo seja null e undefined.

@Bruno
Eu acho massa a Unity facilitar a vida do pessoal sabe? trazer gente criativa que se sentia intimidada. O que eu nao aprecio muito eh a falta de noca de quao complexo eh fazer a Unity e costumizar ela pro seu jogo. Mas essa vai ser uma realidade cada vez maior jah que essas engines estimulam os usuarios a escrever C# ou Java Script para fazer rotinas simples.

Em fim, eh mais um daqueles temas que tem muito do ponto de vista e do contexto envolvido.


Para terminar, escrever codigo bonito eh arte ou nao? eh brincadeira! brincadeira!!


Abraco.

Francisco Fontes disse...

Cara, ótimo assunto.

Concordo com o que o Secco falou.

O ponto é que programador POG (Programação orientado a Gambiarra) existe em qualquer linguagem de programação.

Como foi muito bem dito, cada linguagem serve para resolver um problema específico. O difícil é programar sem forte acoplamento, com classes ou scripts com responsabilidades bem definidas e bem flexíveis. Aí entra a experiência e o estudo. Recomendo a quem está começando estudar Design Patterns e pensar em Inversão de Dependência e outras boas práticas de programação. Antes de ingressar em uma linguagem verificar as Code Conventions de cada uma.