segunda-feira, 3 de setembro de 2012

QuickQuest #34: Fadas, Duendes e o Monstro do C++

Em um novo QuickQuest, o quester Fernando comenta um e-mail do leitor Edmo Freitas. Parece que para algumas listas de desenvolvedores, aprender não está mais na moda e a conjuração é finalmente algo que podemos utilizar! Conjuration new engine + 1 for the win!


Faça perguntas e sugira assuntos para os próximos QuickQuests pelo e-mail contato@podquest.com.br ou no Twitter @ThePodQuest.

Ouça no link a seguir:
QuickQuest #34: Fadas, Duendes e o Monstro do C++
(botão direito, depois "salvar como" para baixar)

Ou ainda, adicione o feed e tenha todos os episódios quando quiser!
http://feeds.feedburner.com/doublejump/podquest
No iTunes, vá em "Advanced - Subscribe to Podcast" e cole o endereço acima.

5 comentários:

felipowsky disse...

Só pra reforçar o ponto do Secco: a própria UDK para a versão 4 parece que vai utilizar menos o UnrealScript pra utilizar o C++.
Então não dá pra ser extremista.
Dependendo do projeto e dos objetivos que você tem com ele, as ferramentas (linguagem, engine, IDE, etc.) fazem diferença, mas não podem torná-lo refém.

Humberto Rocha disse...

Concordo com tudo e acho que não somente o c++ deve ser aprendido, como também é importante aprender pelo menos como funciona o gerenciamento de memoria em c, não que você vá sair implementando as coisas em c, mais sim para ter uma ideia de como as coisas acontecem "lá embaixo" para que você possa ser um melhor programador "aqui em cima".
Uma coisa que é bom ter em mente é que todo conhecimento é válido, e para um programador, de vez em quando sair da sua zona de conforto e aprender formas diferentes de resolver o mesmo problema faz bem, nem que seja para constatar que a sua forma de resolver aquilo é a melhor, mais este exercício te ajuda a amadurecer como programador...

Thiago Ferreira disse...

Muito interessante o assunto, leio muito sobre games, quero ser programador, mais uma opinião sobre esta linguagem vindo de quem e trabalha com isso em alto nível e bem bacana, não tinha tanto conhecimento do pode do c++. Parabéns secco.

Gabriel Santos disse...

Concordo com escrever sua engine propria, sempre bato nessa tecla... pessoal hoje quer uma ferramenta magica que arraste e solte e saia um jogo inacreditável para todas as plataformas ...

Por outro lado, vale a pena da uma olhada no Projeto Mono (Monogame) ele com poucas alterações permite porta seu jogo para, xbox, windows, windows phone, windows RT, ios, android e PS Vita ...

Sobre o podcast está otimo, eu recentemente fiz uma gravação sobre mercado de tecnologia
http://soundcloud.com/surround/sprint-00
(gostaria de um feedback ae)

Marcelo Martins disse...

Fernando,

Em primeiro lugar, muitíssimo obrigado pela homenagem na música de background. ;) Thin Lizzy rules!

Sou leigo em programação, mas pelo que vejo na indústria, quase sempre os projetos mais sofisticados precisam modificar a funcionalidade básica de uma engine e isso precisa ser feito por alguém que tenha experiência no código de origem. O seu exemplo do Deus EX foi excelente.

Além disso, acredito que quem conheça as linguagens mais fundamentais (e importantes) consegue migrar com mais facilidade para novos engines/tecnologias. Numa indústria tão dinâmica quanto a nossa, isso é realmente fundamental.