segunda-feira, 2 de maio de 2011

PodQuest #19: Começo, Meio e 13 Fins

Fernando, Rafael e Gilliard estão de volta em mais um episódio do PodQuest, desta vez pra falar sobre vantagens e desvantagens da linearidade nos jogos, tanto com relação à história quanto ao gameplay. Eles discutem também os rumores sobre o novo console da Nintendo, o lançamento de Portal 2 e a estagnação dos MMORPGs atuais.

Journal:


Links:


Ouça diretamente no player abaixo:



Ou no link a seguir:

PodQuest #19: Começo, Meio e 13 Fins
(botão direito, depois "salvar como" para baixar)

Ou ainda, adicione o feed e tenha todos os episódios quando quiser!
http://feeds.feedburner.com/doublejump/podquest
No iTunes, vá em "Advanced - Subscribe to Podcast" e cole o endereço acima.

Ouça e comente! Se preferir, entre em contato por e-mail em contato@thepodquest.com ou pelo Twitter em @ThePodQuest.

13 comentários:

Anônimo disse...

O link para download está com o episódio nº 18 e nao o 19º.

Fernando Secco disse...

Obrigado Senhor Anônimo.
Espero que o seu grupo na esteja envolvido no caso da PSN :).

Anônimo disse...

No caso da PSN nao, mas se isso acontecer de novo vamos derrubar o PodQuest =P.

Muito bom o episódio dessa semana, abraços!

Anônimo disse...

A respeito do Wii-2, Será que a Nintendo só não quer "copiar" a estratégia da Sony e da M$ que adaptaram seus consoles para entrar no mercado que era dela? No caso, como eles não podem adaptar o console, lançam um novo.

Vai que eles nem estão focando tanto em uma próxima geração, mas sim nessa, já que a maioria dos analistas prevê que essa geração vai ser mais longa que o normal.

Rodolfo Brito disse...

Primeiro comentário meu nesse novo site!!!

Depois de perder um comentário gigante por causa desse novo sistema de comentários ( não sei pq não é igual ao do DJ) vou tenatr refazer o que eu tinha escrito.

Primeiramente, parabéns pelo novo site e parabéns por essa conquista. Adorei o QuickQuest,mas ainda acho 10 minutos muito curto. Pra mim, qualquer coisa até 30 minutos ainda é "quick".

Sempre que eu vejo o Rafa falando do Move eu fico intrigado. Sempre eu tenho a impressão de que ele fala como se não tivesse o Wii. Acho estranho p falar da implementação do MOve em Killzone 3, não que o jogo seja ruim, só acho estranho dizer que o move é uma grande vantagem dele, pois, pelo que eu joguei do Move não me pareceu superior ao Remote com Motion+. Já cansei de indicar jogos aqui do Wii que usam o sensor de movimento muito bem , como o GoldenEye por exemplo, que é um jogo extremamente bem feito, com um single player satisfatório e multiplayer matador, além dos controles que estão bem precisos.
Tenho que impressão de que o Rafa está muito rancoroso, como se ainda não tivesse superado a mágoa de ter sido "enganado" pelo amrketing da Nintendo e da Ubisoft com o primeiro RedSteel.

Ainda no Active Quest, achei ruim vocês citarem o novo MK e não falarem nada sobre o modo história, que é uma revolução no gênero.

No Journal, me pareceu que vocês gravaram o edpisódio a um tempo, pois no dia 26 a Nintendo confirmou que o novo aparelho estará jogável na E3 2011. Ficou estranho vocês falarem do aparelho como se ele ainda fosse "totalmente" rumor. Até porque, sei que vocês são muito bem informados.

Sem contar que eu acho que o Secco e o Gilliard estão escondendo o jogo, pois obviamente eles devem saber de algo a mais, mas não podem revelar...

Ainda sobre os rumores, o tópico oficial de rumores do novo aparelho no Forum Outerspace está bem completo e organizado. Olhem ae:

http://forum.outerspace.terra.com.br/showthread.php?t=350311

Marcelo Martins disse...

Pessoal,

Excelente PodQuest, como sempre.

Agora, deixo aqui meu comentário/dúvida/especulação sobre o Wii 2:

Independente do nível tecnológico do Wii 2, o mais importante é que a Nintendo esteja bem alinhada às third parties para que elas lancem jogos relevantes para o console. Outro dia vi um comentário em um site onde a pessoa disse que o Wii é simplesmente um "Mario and Zelda game box".

Apesar de achar a afirmação um pouco exagerada, não deixa de ser verdade. Amo essas franquias, mas o nível de jogos third party para o Wii praticamente foi ao chão...

Espero sinceramente que mude! O que importa não é simplesmente a tecnologia, mas como ela é utilizada pelas mentes criativas dessa indústria.

Abraços,
mm

Fernando Secco disse...

@Rodolfo
Quem fala do KZ3 eh o Secco não o Rafa e não estou entendendo sua bronca com o Move.
Qual o problema de gostar do resultado dos jogos que são feitos para ele?
Eu não fico comparando Wii com PS3 e apontando as diferenças, só comento que eh muito bom jogar KZ3 com o Move.
Acredito que o Move e' melhor que o controle tradicional de PS3, mas em nem um momento fico comparando Move com Motion Plus, não tem razão para isso, só estou falando do que eu jogo e por que e acredito que se a jogabilidade e' boa, isso deve ser citado. Eu não falo do Wii, comparo jogos do Wii ou nem mesmo cito o estado da arte dos controles movidos a sensor ou influencia de jogos pois não vem ao caso.
Joguei 4 horas de Wii Sport Resort e deu para ver que a resposta do Motion Plus eh muito boa, uma pena que saiu 2 anos depois da proposta inicial, o que sim, me decepcionou muito.

Sobre ter gravado antes, a gente gravou sim, uns 3 dias antes do anuncio oficial.

Sobre o MK ter modo historia ser inovador eu não concordo pois eles fizeram a mesma proposta no MK vs DC que saiu a alguns anos atrás. O que não desmerece a qualidade e as rizadas.

Vinicius Lopes disse...

Gostei muito do podcast, aliás, caiu como uma luva porque estou justamente pensando em que caminho seguir no desenvolvimento.

Estou fazendo um curso de games e no final terei de fazer um game como trabalho final (usando UDK) mas desde já comecei a pensar como seria o jogo. A grande duvida estava em 1 jogo não linear estilo oblivion, ou um jogo linear mas com 3 personagens diferentes, com historias diferentes entre si.

O que vcs do podquest pensam sobre isso?


Abraços e continuem assim!

Diego disse...

Outro dia eu ouvi um termo interessante sobre o Wii 2, dizendo que a Nintendo agora estaria de frente ao "dilema do Dreamcast". Lançar um console muito melhor que os atuais pode não trazer um retorno bom, já que no começo a base instalada é pequena e enquanto Xbox 360 e PS3 estiverem bem vai ser difícil esse novo console ganhar jogos tão diferentes assim dos da geração atual (como acontece com o PC que tem um poder de processamento melhor, mas vários jogos multiplataforma são acusados de serem simples portes de jogos de console e não aproveitarem bem os recursos da plataforma). Sem falar que um console mais potente significa um console mais caro, tanto pra Nintendo que vai diminuir sua margem de lucro (ou mesmo ter "prejuízo" no começo e lucrar com jogos), quanto pro jogador.

Por outro lado, um console no mesmo nível do PS3 e Xbox 360, que passasse a ganhar os mesmos jogos multiplataforma desses dois, entraria atrasado demais no mercado, (novamente) teria uma base instalada pequena no começo e ficaria defasado muito rapidamente quando a nova geração chegar. No fundo, não haveria um grande motivo pra quem tem um console dessa geração comprar um Wii 2 se ele for por esse caminho de ter mais o menos o mesmo poder da concorrência. Pra jogar Mario e Zelda o povo já se satisfaz com o Wii atual.

Enfim, com o Wii e o DS, a Nintendo apostou em consoles que não eram simplesmente mais um concorrente. Eles traziam recursos específicos que os colocavam à parte dos adversários. Estão cogitando tela de toque no controle e outros recursos que tornariam o Wii 2 diferente do que temos aí, não só pelo poder de processamento. Mas fazendo isso, não estaria a Nintendo de jogo dividindo a "linha de produção" e obrigando à desenvolvedoras a fazer algo específico pro seu console ao invés de jogos multi que rodem em todas as plataformas?

Rafael Kuhnen disse...

Eu nao falo do Move... Quem fala eh o Secco! :P

Rodolfo Brito disse...

Puts galere... desculpa ae me confundior... hahahah

@Secco
Eu apenas acho estranho citar o MOve, pois acho ele um remendo mal feito no PS3... E tudo que tem de bom de shooter nele e que usa o move, deve alguma coisinha pro Wii.

É chato eu ficar batendo nessa tecla, mas é sempre bom lembrar esse tipo de coisa, pois eu tenho certza que existem shooters muito competentes e que usam motions controls no Wii...


PS. E um PodQuest sobre o legado do Wii? Afinal, a geração atual é praticamente Oldgen... E o Wii é o símbolo da parte ultrapassada da geração. Voicês poderiam fazer um PodQuest falando sobre os méritos ( edesméritos) do Wii na geração. O que acham?

Gilliard Lopes disse...

Obrigado mais uma vez pelos comentários, galera!

@Vinicius Cara, um game como projeto final de curso já é um desafio grande por si só. Minha sugestão é que você invista nas features que vão te dar mais oportunidades de aprender coisas novas. No desenvolvimento de um game comercial, muitas vezes as descobertas acontecem no começo do projeto, e a gente passa a maior parte do restante do tempo repetindo os mesmos processos, ajustando aqui e ali, e corrigindo bugs. Procure não criar esse fardo no teu projeto final, mantenha o conteúdo numa quantidade miníma necessária, pra você não precisar gastar tanto tempo com tarefas repetitivas. Acho que é o melhor conselho que posso dar.

@Diego Os teus argumentos fazem bastante sentido, mas se existe uma empresa capaz de resolver essa equação, é a Nintendo. Já faz tempo que eles entenderam que apenas ser "mais do mesmo" e entrar nessa briga sobre quem tem mais poder de processamento não é uma estratégia adequada pra eles. Por isso eles vêm inovando e apostando em maneiras diferentes de se jogar, pra serem a plataforma que possui o diferencial. Não há nenhuma razão para crer que eles vão abandonar essa estratégia agora, então pode esperar que esse novo console seja mais do que apenas um upgrade de força bruta.

Felipe Augusto "felipowsky" disse...

A Nintendo tem que entender que não adianta só fazer um console tecnologicamente superior. Deve-se haver incentivo para os desenvolvedores explorarem essa tecnologia e uma "prova" (um jogo, um projeto) que demonstre a sua "superioridade".
Muitas vezes o fácil acesso a tecnologia (através de ferramentas, por exemplo) e a fácil comercialização (disponibilizadas pela empresa) permitem aos desenvolvedores criarem novos jogos, novos gameplays e novas experiências o que acaba gerando propaganda através do boca-a-boca e despertando o interesse dos jogadores para a plataforma.