segunda-feira, 28 de novembro de 2011

PodQuest #34: Passado, Presente e Futuro da Nintendo

Na edição 34 do PodQuest, os intrépidos gamedevs recebem novamente o game designer Sandro Tomasetti. O quarteto discute a história, os erros, os acertos e as perspectivas futuras da empresa mais icônica da indústria de games: Nintendo. Eles respondem também a um e-mail sobre como preparar um portfolio de programação, e discutem a importância do diploma universitário na indústria de jogos.

Links:


Ouça diretamente no player abaixo:



Ou no link a seguir:

PodQuest #34: Passado, Presente e Futuro da Nintendo
(botão direito, depois "salvar como" para baixar)

Ou ainda, adicione o feed e tenha todos os episódios quando quiser!
http://feeds.feedburner.com/doublejump/podquest
No iTunes, vá em "Advanced - Subscribe to Podcast" e cole o endereço acima.

Ouça e comente! Se preferir, entre em contato por e-mail em contato@thepodquest.com ou pelo Twitter em @ThePodQuest.

7 comentários:

Marcelo Martins disse...

Pessoal,

Parabéns por mais um episódio do PodQuest. Como sempre, muito informativo e com opiniões bem fundamentadas.

Eu concordo com vocês em tudo que vocês falaram e concordo 100% com a declaração do Gilliard: "A Nintendo não converteu o público casual em gamers hardcore".

Uma outra coisa que acho que talvez a gente possa analisar. Percebam que a quantidade de jogos hardcore que a Nintendo lançou para o Wii foi compatível (ou talvez maior) com o que eles lançaram em outros consoles. Ou seja, teoricamente, estaríamos bem servidos.

Mas quem tem um PS3 e XBOX 360 está mais bem servido. O mercado mudou.

No fundo, é como vocês concluíram, se eles tiverem o apoio dos terceiros para lançar conteúdo, não existe motivo para o WiiU não ser um sucesso para o público hardcore.

Se eles vão conseguir abraçar os dois públicos, é difícil saber. Mesmo os jogos "hardcore" para iOS não funcionam tão bem, um dos motivos é o controle...

Se tiver um jogo bom no lançamento do WiiU, vou comprar também. Estou esperançoso, mas esperando pra ver o que vai acontecer.

Flavio de Paula disse...

Olá, pessoal.
Mais uma vez obrigado pelo esforço de fazer o podquest.

Uma coisa que eu me lembro de ter lido na época do anúncio do Wii-U foi o fato de que o desenvolvimento de jogos para ele seria similar ao desenvolvimento para 360.

Não trabalho com games então não sei como seria isso, e nem se esse rumor se confirmou, mas se for verdade, talvez seja uma maneira de tornar o desenvolvimento mais amigável.

Abraço!

Gilliard Lopes disse...

Ótimos comentários, obrigado!

@Marcelo Agradecemos muito a participação de sempre, Marcelo.

Você disse que a Nintendo lançou um número de jogos hardcore para o Wii compatível com os outros consoles dela; estamos de acordo. Mas a Nintendo é assim mesmo, para entregar seus games com a qualidade impecável que eles almejam, precisam de tempo.

Nosso ponto não é esse. A diferença é o número de jogos hardcore que os OUTROS desenvolvedores fazem pros consoles deles. No NES, SNES e um pouco no 64 e no Cube, ainda tínhamos um número bom de jogos fortes das outras publicadoras. No Wii esse panorama mudou completamente, ao ponto de que NENHUMA grande franquia hardcore que surgiu desde então teve entrada significativa no console: Mass Effect, Dragon Age, Elder Scrolls, Batman, Assassin's Creed, Bioshock... A exceção é o Dead Space Extraction, mas mesmo esse foi um grande sucesso de crítica no Wii (eu tenho e é ótimo mesmo)... mas fracasso de vendas.

A favor do teu ponto está o fato de que as outras donas de plataforma realmente lançam os seus exclusivos com mais frequência que a Big N (God of War, Killzone, Halo, Gears...). Mas o nosso argumento nunca foi que a Nintendo devia mudar a periodicidade do Mario, Zelda e Metroid; e sim que eles precisam dos third party para preencher os buracos, o que não existe no Wii.

@Flavio O objetivo da Nintendo tem que ser o de facilitar para o desenvolvedor mesmo; agora, chegar ao nível de suporte que a Microsoft oferece será muito improvável. A entrada da MS na indústria de plataformas para games foi muito acertada: como donos do melhor ambiente de desenvolvimento em C++ do mundo (Visual Studio), eles podem oferecer ferramentas integradas que te ajudam imensamente a compilar, rodar e depurar games no XBox sem sair do Visual Studio. A Sony, por exemplo, tem uma ferramenta parecida mas nem de longe funciona tão bem.

Além disso, a MS tem muitos anos de experiência no contato e suporte a desenvolvedores de software (por ser a dona do Windows), então eles entendem de tecnologia de software de uma maneira muito mais abrangente. A Nintendo está correndo atrás de um prejuízo muito grande nessa briga, mas se ela pelo menos fizer como a Sony e tentar dar suporte da melhor maneira que conseguir, podemos ter um ambiente muito mais favorável a ela dentro dos desenvolvedores terceiros.

Extra-oficialmente, ouvi dizer que os primeiros estúdios que estão trabalhando com o Wii U estão tendo muita dificuldade... Mas nesse momento é difícil separar o quanto disso é devido a ser uma plataforma totalmente nova, e o quanto é falta de suporte da Nintendo. Vamos aguardar.

Marcelo Martins disse...

@ Gilliard

Com certeza! Nós concordamos, só que com outras palavras.

Eu estava querendo somente "isolar" o mundo da Nintendo para os Hardcore na análise. Só que, como vocês mesmo falaram, não há como fazer isso, porque o cenário é diferente.

O que me impressiona é que o suporte da Nintendo aos terceiros caiu muito ao longo dos anos (desde que eles resolveram não fazer o "playstation" quando a Sony veio conversar com eles) e, pelo visto, continua não sendo o suficiente. Não entendo porque eles ainda não mudaram isso!

Final Fantasy já foi exclusivo da Nintendo! Dá pra acreditar?

Fabiano Pimenta disse...

Muito bacana o assunto deste PodQuest. Achei o paralelo entre a Nintendo e a SEGA muito acertado. Se a Big N não se mover e melhorar seus sistemas de partidas online, compras (com disponibilização de demos), parcerias... Sim, o Wii U pode ser o último suspiro de vários tiros nos pés dados nos últimos anos aliado à soberba de uma empresa que acha que tem o melhor produto sempre e que não deve seguir nenhuma tendência de mercado.

Pra quem conhece Seinfeld, a Nintendo é o "Soup Nazi" do mercado.

Abraços!

*Btw Secco, conseguir jogar o co-op do Dark Souls é mais sofrido do que digitar um (un)Friendly Code pra jogar no Wii, cara! Pqp JP, PQ!?

Pajeh disse...

E ae, galerinha...

Parabéns por mais este episódio...!!! Mto interessante o tema abordado...

Acompanhei a Nintendo durante mto tempo... até nos separarmos no GambeCube. Fiquei muito em dúvida, mas sempre fui um fã da série Final Fantasy... então optei pela familia da Sony... mas assim que conseguir uma $$ comprarei um GC, Wii... para jogar todos os Marios, Zeldas que deixei para trás...

Abs

Cutia - Gustavo disse...

Gostei bastante do tema,

Como o @Fabiano disse, pode ser provável que o WiiU seja outro tiro no pé.
Mas como o Rafa ressaltou, a Nintendo é singular, ou seja, ela produz jogos e consoles. Fica complicado bater de frente com outras empresas que produzem tecnologia desde sempre.

Vendo o histórico da Nintendo, fazendo card's, brinquedos e consoles, e lembrando o perfil conservador que a cultura japonesa possui, e vendo os atuais consoles, serie DS e Wii, dá para 'chutar' o futuro dessa grande empresa.

O hardware da Nintendo, em questão de processamento, ficou inferior aos concorrentes. E creio que a maneira de se manter no mercado seja esta, fazer aparelhos com diferenciais, e os aproveitando ao máximo. Não fosse as inovações/diferenciação dessas plataformas, o que seriam das series clássicas da Nintendo? Será que o Zelda estaria ai? o Mario Galaxy teria sido lançado?

Não nego o fato que ela perdeu a essência Hardcore que tinha, e isso refletiu no mercado atual. Assim como foi dito, creio que se houver um processo em que o desenvolver se torne mais heterogêneo, a Big N volte ao mercado. O que creio não ocorrer no WiiU. Afinal o input de comandos é bem diferente dos demais, mas ao mesmo tempo possibilita a entrada de varias coisas.