segunda-feira, 7 de outubro de 2013

PodQuest #66: GTA V, PSVita e Máquinas a Vapor

Estamos de volta! No novo PodQuest, Gilliard e Fernando discutem o maior lançamento do ano: GTA V, além do PSVita e os anúncios dos planos de dominação global da Valve.

Ouça diretamente no link a seguir:

PodQuest #66: GTA V, PSVita e Máquinas a Vapor
(botão direito, depois "salvar como" para baixar)

Ou ainda, adicione o feed e tenha todos os episódios quando quiser!
http://feeds.feedburner.com/doublejump/podquest
No iTunes, vá em "Advanced - Subscribe to Podcast" e cole o endereço acima.

Ouça e comente! Se preferir, entre em contato por e-mail em contato@thepodquest.com ou pelo Twitter em @ThePodQuest.

14 comentários:

Leandro Vian disse...

Pohhh, finalmente voltaram, galera tava ansiosa já hehe :)
Ouvindo em seguida.

Wesley Bastos disse...

Aê PodQuest de volta, gostei dos temas abordados. Estou terminando de ouvir. Mas que semanas foram essas últimas, que todos esses anúncios e lançamentos e as próximas, onde teremos mais lançamentos de games e os lançamentos dos consoles next-gen.

Leandro Viana Cappellano disse...

Não posso dizer que estava com saudades porque fiquei um booom tempo sem ouvir e ouvi todos os que faltavam recentemente hehehe, mas é muito bom saber que o podquest ainda está na ativa, valeu!

Quanto ao GTA V, acho meio óbvio que o pessoal não reclame tanto, porque o jogo entregou muito mais coisas interessantes e satisfez, em grande parte, a ansiedade da galera. É uma falha da Rockstar, mas eles conquistaram o público a ponto de fazer eles esperarem mais um pouco por um online decente, por acreditar que eles possam fazer algo realmente bom. No caso do Sim City, o histórico de descontentamento com a EA ajudou para a reação oposta a do GTA.

Tarcísio disse...

Muito bom esse podquest. Voltou com tudo e bem divertido, so tenho uma má noticia, tb sou fã da critical e parece q infelizmente ela fechou. A carta aberta da empresa falando isso. http://criticalstudio.com.br/anunciando-o-fechamento-da-critical/

Continuem com o Bom Trabalho!!

Leonardo SF disse...

Creio que temos que ver as Steam Machines como PCs comuns e não como consoles. E os PCs estão aí com hardware fragmentado há anos. Acho que disso tudo que foi anunciado o que tem mais potencial para alguma revolução seja o OS e talvez o controle. Sobre o OS eles deixam a entender que já estão fazendo parcerias com as principais desenvolvedoras que vendem jogos no Steam para que a transição do DiretcX para o OpenGL seja a mais fácil possível para eles e ainda há rumores de que internamente tem uma equipe fazendo essa conversão e a AMD já confirmou que vai ser possível o SteamOS suportar o Mantel. Na minha opinião esse OS ainda vai demorar alguns anos para ter uma boa base de usuários. Eu, por exemplo, que jogo outros games que não estão no Steam terei que fazer um DualBoot no PC se eu for usar o SteamOS e para que eu tenha que ter esse trabalho o ganho de performance usando o SteamOS vai ter que compensar.

Fico feliz que vocês tenham voltado e desejo melhoras para o Rafael.

Ânderson Cardoso disse...

Muito legal a volta de vocês. Parem com isto de ficarem tanto tempo fora...mas enfim a comparação que fiz do naufrago e do ator lá rsrs foi realmente porquê vi uma entrevista na Globo a um tempão atrás dai falei só de brinks enfim foi mal.

Sobre o tal de Oya eu vi um cara fazendo um review dele na internet e honestamente não entendi pra que aquilo existe, afinal se eu quiser jogar emulador eu pego meu psp e deu ué, consolezinho esquisito.

Tem gente que esperava mais da valve esse ano tipo uma continuação de um tal de Half Life ou seja o 3, acho que o tal controle sem manetes é a mesma sensação de ter em mãos um mouse sem botões, também me irritam a falta deles não consigo imaginar jogando sem.

Mas que mania do Gilliard de falar mal das coisas e acabar jogando, falou pra caceta mal de GTA 5 e está jogando, eu não sou fan boy deste game prefiro um até mais galhofa (saints row) mas não entendo o host...fala mal até da big N e joga depois diz que não é nintendista :D


Ps: Estão no hype (jogam ou já jogaram) para Assassin's Creed Black Flag?

Abraços e melhoras sinceras pro Rafael.

Andre Nunes disse...

Mais um ótimo podquest! Pena que o time ainda não está completo.
GTA é aquilo: ame-o ou odeie-o. Eu amo pela liberdade: é muito bom pegar um bondinho, subir em uma montanha gigantesca e descer de moto por uma das muitas trilhas. E logo que descer ainda dá para fazer uma sessão de terapia com seu psicólogo, kkk. Desde minha época de Atari eu sonhava com tamanha liberdade que os GTAs proporcionam.

Edward Facundo disse...

Salve, Pessoal!

Acredito que todos nós ouvintes assíduos de vosso podcast estiveram aflitos em busca de um podcast que conquistasse a vossa qualidade, e a busca já estava se mostrando desesperadora ;) então: muito obrigado por voltarem! Pensamentos e forças para o Rafael se recuperar!

Hoje em dia escrever qualquer software multiplataforma com o mínimo de qualidade possível não seria um peso que algumas empresas estão se especializando para retirar dos estúdios o trabalho ?

Unity3D, Torque, UDK ?

E não é de agora, a quanto tempo o UDK dá suporte NATIVO da engine a uma plataforma alternativa como linux ? Só o que a minha memória permite o UNREAL TOURNAMENT, o primeiro já tinha o binário necessário! o 2003 seguiu na mesma linha.

Concordo, é uma tarefa extenuante, mas quanto empresas já estão nesse meio?! ANDROID x IOS e seus jogos estão disponíveis nas duas? E venhamos e convenhamos desenvolver em multiplas plataformas mobile é bem mais desafiador do que simplemente usar o bom senso e desenvolver em opengl e ficar portável para a grande maioria das plataformas... :P

Tirando um pouco da brincadeira - sim! DirectX tem diversas vantagens..blá blá blá - só os testes de performance da Valve nas "modificações" da engine deles mostraram ganhos absurdos, será que isso não é argumento para um game adotá-lo ?

No lado da usabilidade, imagino a flexbilidade que o código fonte pode fornecer para que a própria Valve para que o fantasma do unfriendly desktop ameace a experiência. Outro ponto ponto a favor.

No final, seja um pc gamer experiente ou não, acredito que a facilidade de simplesmente fazer o boot em um SO com todas as libraries necessárias, na versões corretas e testadas pela empresa para o game, imaginem o quanto isso já não é um alívio ?

Sem dizer nos aspectos técnicos de não engordar os packages dos jogos incluíndo bibliotecas comuns que poderiam facilimente estar disponíveis nos sistema como um todo - mantido por uma empresa séria como a Valve - para que seu jogo fique mais leve no download e padronizado. Trabalhar com essa padronização pode ser uma alívio em diversos aspectos da engenharia.

Concordo em gênero grau e número que o maior desafio seja a heterogeneização das máquinas para suporte, mas se lembrarmos que quem desenvolve para PC JÀ TEM ISSO COMO REQUISITO não faria muita diferença, pelo contrário, se tivermos o próprio SteamOS como filtro(especificando as máquinas suportadas ) não seria esse ponto a se considerar equilibrado?

Não sou muito fã de games para PC, assim como o Gilliard um dia eu fui bem mais, mas acredito no potêncial e no caminho de que o hardware deveria ser o menos importante com o passar dos anos e nos concentrarmos apenas no conteúdo e acredito que esse SteamOS possa não ser o definitivo mas pelo menos um pontapé, um exemplo inicial, de que estaremos caminhando para esse sentido. Quiça a Steam também vá no sentido da computação das nuvens ?

Grande abraço!

Vinicius Nakamura disse...

É muito bom ouvir vcs denovo. Fizeram falta.

Não joguei Sim City nem GTAV, mas acho que não dá pra comparar os problemas dos dois. O online do GTAV é um extra, enquanto no Sim City era uma parte essencial do jogo. Enquanto no GTA os jogadores já tinham aproveitado o offline por algumas semanas, no Sim City não dava pra jogar nada no lançamento.

felipowsky disse...

E ai, PodQuesters. Muito bom a volta de vocês. :)
Gostaria de comentar apenas sobre as Steam Machines.
Eu sou um grande fã da Valve. Muito mesmo.
Mas tento ser bem "cabeça aberta" pra não misturar admiração com realidade.

Como vocês citaram, a questão da fragmentação da plataforma é o maior desafio que vejo para a proposta deles. Porém, algo que eu não vejo o pessoal comentando muito é em relação ao streaming de jogos que, pra mim, parece ser uma tendência da nova geração de consoles.
Nunca testei, nem vi funcionando uma tecnologia dessas para games. Mas vocês concordam que isso parece ser a nova resposta para a vida, o universo e tudo mais para o problema de compatibilidade entre plataformas? Pelo menos é como soa o discurso das empresas pra mim.
Se em teoria isso funcionar, se eu tiver um computador bom para jogos, eu poderia comprar uma Steam Machine com hardware fraco e apenas fazer streaming dos meus jogos. Não?
Ou mesmo, daqui a pouco, jogar um game de PS4 num PS Vita.
Será que isso vai ser a solução para todos esses problemas de compatibilidade?
Estou curioso para ver mais sobre isso.

Outro ponto: eu acho que a Valve errou em chamar o OS dela de SteamOS. Parece algo trivial, mas pra mim parece que isso atrela muito essa nova plataforma apenas a jogos, quando na verdade, o que eu acho que eles querem fazer, é colocar uma máquina ligada aos aparelhos de TV que sejam um centro de entretenimento que se encaixe às necessidades do usuário. Parece até discurso da Microsoft, mas eu acho que é isso que eles estão "dizendo" pra nós, só que sem falar explicitamente.
Eu acho que eles querem vender essas máquinas tanto para os gamers quanto para as pessoas que só querem assistir vídeos do Youtube na TV.

O que vocês acham? :)

Abraço.

neliodv disse...

Concordo com o comentário do vinicius Nakamura. Não há como comparar o Sim City com o GTA V. O GTA V já é um excelente jogo sem o online, e o faz brilhantemente.
Já o Sim City, com dependência completa do online foi um desastre no lançamento, se tivesse como jogar off, não teriam reclamado tanto.

Marcelo Martins disse...

Estava com muita vontade de jogar Dragon’s Crown e depois de ouvir o Secco falar, fiquei com mais vontade ainda. É o tipo de jogo lembra a minha infância.

Sobre o GTA V, achei muito legal essa questão da vida independente dos personagens. Apesar de toda a grandiosidade de GTA V, acho que a maior contribuição da Rockstar para o gênero é a qualidade da narrativa.

Abraços pra todos e melhoras pro Rafa!

Gilliard Lopes disse...

Ótimos comentários, pessoal. Responderei no QuickQuest.

Leandro Vian disse...

Ahh GTA não faz meu estilo, mesmo gostando de openworlds como Fallout e Skyrim.

Eu gosto da ideia do steam machines, mas já sendo um pc player, ainda não vejo motivos pra comprar uma steambox, se eu quiser posso fazer esse tipo de configurações direto com meu pc, mas vamos ver se isso atrai um público menos técnico talvez. Particularmente eu senti que essa jogada do steam machines foi mais em sentido de diminuir a distância entre Pc/Consoles, quebrar um pouco o paradigma de que o pc fica na mesa com teclado e mouse e o console na sala e tu joga de boa com controle no sofá.

Btw, dei uma zoadinha no Seco por causa do LoL e várias semanas depois vcs ainda lembraram pra me dar umas alfinetadas ein hahaha